Daily Calendar

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

BEBÊS

As vantagens de um bebê bilíngue

Para ver imagem ampliada é so clica-la


Antigamente, especialistas temiam que crianças pequenas expostas a mais de um idioma sofressem 'confusão de linguagem’, o que poderia atrasar seu desenvolvimento de fala. Hoje, os pais são muitas vezes incentivados a capitalizar sobre essa habilidade precoce de aprender um idioma. Escolas reconhecidas se vendem com promessas de profunda imersão em espanhol – ou mandarim – para todos, começando no jardim da infância ou até antes.

Porém, enquanto muitos pais reconhecem a utilidade de um segundo idioma, famílias criando filhos em residências que não falam inglês ou tentando conciliar dois idiomas em casa costumam ser desesperados por informação. E embora o estudo do desenvolvimento bilíngue tenha refutado aquele antigo medo de confusão e atraso, não há muitas diretrizes embasadas sobre os primeiros anos e as melhores estratégias para produzir uma criança bilíngue e feliz.

Mas há cada vez mais pesquisas para se basear, remetendo à infância e até mesmo ao útero. Conforme a nova ciência do bilinguismo nos leva às origens da fala e da linguagem, cientistas começam a divulgar as primeiras diferenças entre cérebros expostos a um idioma e aqueles expostos a dois.

Pesquisadores encontraram maneiras de analisar o comportamento infantil – em que bebês trocam seu olhar, por quanto tempo prestam atenção – para ajudar a desvendar as percepções infantis de sons, palavras e linguagens, do que é familiar e desconhecido para eles. Agora, analisar a atividade neurológica de bebês enquanto eles ouvem idiomas e comparar essas reações iniciais com as palavras que eles aprendem à medida que crescem, está ajudando a explicar não só como o cérebro começa a ouvir a linguagem, mas como a audição molda o cérebro no começo.

Recentemente, pesquisadores da Universidade de Washington usaram medidas de reações elétricas do cérebro para comprar bebês considerados monolíngues, em lares que falam apenas um idioma, com bebês expostos a dois idiomas.

Obviamente, como os objetos de estudo – adoráveis com seus dispositivos de eletroencefalografia tamanho PP – variavam entre 6 e 12 meses de idade, eles não estavam produzindo muitas palavras em qualquer idioma.

Ainda assim, os pesquisadores descobriram que aos 6 meses, os bebês monolíngues conseguiam diferenciar sons fonéticos, fossem eles pronunciados no idioma ouvido em casa ou em outro idioma. Entre 10 e 12 meses, bebês monolíngues não conseguiam mais identificar sons no segundo idioma, apenas no idioma que eles estavam acostumados a ouvir. Os pesquisadores sugeriram que isso representa um processo de 'compromisso neurológico’, no qual o cérebro dos bebês se adapta para compreender um idioma e seus sons.

Por outro lado, os bebês bilíngues seguiram uma trajetória diferente de desenvolvimento. Entre 6 e 9 meses, eles não identificavam diferenças em sons fonéticos dos dois idiomas, mas quando ficaram mais velhos – de 10 a 12 meses – eles conseguiram discriminar sons nos dois casos.

''O que o estudo demonstra é que a variabilidade na experiência dos bebês bilíngues os mantém abertos’', explicou a Dra. Patricia Kuhl, um das diretoras do Instituto de Ciências do Cérebro e do Aprendizado, na Universidade de Washington, e uma das autoras do estudo. ''Eles não demonstram o estreitamento de percepção tão cedo quanto os bebês monolíngues. Essa é mais uma evidência de que suas experiências moldam o cérebro’'.

O aprendizado da linguagem – e os efeitos do idioma que ouvimos sobre nosso cérebro – podem começar mesmo antes dos 6 meses de idade.

Janet Werker, professora de psicologia da Universidade da Colúmbia Britânica, estuda como os bebês percebem a linguagem e como isso molda seu aprendizado. Ainda no útero, segundo ela, os bebês são expostos aos ritmos e sons da linguagem e já se provou que recém-nascidos preferem idiomas ritmicamente similares ao que eles ouviram durante o desenvolvimento fetal.

Num estudo recente, Werker e seus colaboradores mostraram que bebês nascidos de mães bilíngues não só preferem esses dois idiomas a outros – mas também são capazes de registrar que os dois idiomas são diferentes. Além dessa habilidade de usar sons rítmicos para discriminar entre idiomas, Werker estudou outras estratégias usadas por bebês enquanto crescem, mostrando como seus cérebros usam diferentes tipos de percepção para aprender idiomas – e manter esses idiomas separados.

Num estudo em que bebês mais velhos assistem a vídeos mudos de adultos falando, os de 4 meses conseguiam distinguir diferentes idiomas visualmente, observando movimentos de boca e da face, e reagiam com interesse quando o idioma mudava. Aos 8 meses, porém, os bebês monolíngues não mais reagiam à diferença de idiomas nesses filmes silenciosos, enquanto os bebês bilíngues continuaram reagindo.

''Para um bebê que está crescendo bilíngue, ele percebe que aquelas são informações importantes’', disse Werker.

Ao longo da década passada, Ellen Bialystok, respeitada professora de psicologia da Universidade de Nova York em Toronto, mostrou que crianças bilíngues desenvolvem habilidades cruciais além de seus vocabulários dobrados, aprendendo diferentes maneiras de solucionar problemas lógicos ou de lidar com tarefas múltiplas – habilidades que costumam ser consideradas parte da função executiva do cérebro.

Essas habilidades cognitivas de nível mais alto são localizadas no córtex frontal e pré-frontal do cérebro.

''Incrivelmente, crianças que são bilíngues desde cedo mostram um desenvolvimento precoce da função executiva’', afirmou Bialystok. Kuhl chama os bebês bilíngues de ''mais cognitivamente flexíveis’' do que os bebês monolíngues. Seu grupo de pesquisa está examinando cérebros de bebês com um dispositivo ainda mais novo de diagnostico por imagem, a magnetoencefalografia, ou MEG, que combina o exame de ressonância magnética com um registro das alterações de campo magnético enquanto o cérebro transmite informações.

Kuhl descreve o dispositivo como ''um tipo de secador de cabelo vindo de Marte’' e espera que ele ajude a desvendar por que os bebês aprendem a linguagem com pessoas, mas não com telas.

Pesquisas anteriores de seu grupo mostraram que expor bebês de idioma inglês a alguém falando com eles em mandarim ajudava-os a preservar a habilidade de discriminar os sons do idioma chinês – mas quando a mesma 'dose’ de mandarim era trazida por um programa de televisão ou fita de áudio, os bebês não aprendiam nada.

''Esse mapeamento especial que os bebês parecem fazer com a linguagem acontece num ambiente social’', afirmou Kuhl. ''Eles precisam estar cara a cara, interagindo com outras pessoas. O cérebro é ativado de uma maneira única’'.

Fonte: msn - The New York Times >> 13/10/2011 22:24

Nenhum comentário:

Postar um comentário