Daily Calendar

sábado, 8 de outubro de 2011

CRISE CONVULSIVA

Crises Compulsivas mais comum em epiletico



Epilepsia é uma alteração na atividade elétrica do cérebro, temporária e reversível, que produz manifestações motoras, sensitivas, sensoriais, psíquicas ou neurovegetativas (disritmia cerebral paroxística). Para ser considerada epilepsia, deve ser excluída a convulsão causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos, já que são classificadas diferentemente. A palavra epilepsia vem do grego epilepsia, 'doença que provoca repentina convulsão ou perda de consciência', pelo latim epilepsia.

Crises Compulsivas- A mais comum é a Epilepsia
É uma forma de convulsão que aparece sem aviso. Em toda terra, 2% da população sofre de epilepsia. Geralmente começa a aparecer aos três meses de idade , mas é mais comum em crianças entre cinco e nove anos de idade. No nascimento, pode aparecer um tipo de ferimento ou um pequeno tumor no cérebro que irá provocar a epilepsia. Sua causa real não é conhecida. Sabe-se por meio de pesquisas, que é um desíquilibrio químico no cérebro, provocado por um tumor ou ferida. Surge mais nas pessoas que sofreram grandes traumas, tais como, meningites, abuso de álcool,  drogas, ou por genética. A convulsão de epilepsia é a forma repetida por piscar muito os olhos ou sentir luzes, cheiros ou gostos estranhos anormal, tonturas estranhas, desmaios, etc... É uma descarga bio – energética emitida pelo cérebro, provocando contrações musculares generalizadas. Algumas pessoas, apenas perdem a consciência momentânea, outras, além desta sofrem movimentos endurecendo – se ou empurrando as  pessoas que tentam ajudar, fazendo  movimentos involuntários, provocando ferimentos em si e a terceiros. Este estado pode durar de 05 minutos ou mais. Neste tempo, a pessoa pode parar de respirar, endurecer a maxila (boca) e passa a morder a própria língua.  Geralmente tem incontinência urinária e surge um tipo de baba (gosma), impedindo a sua respiração, podendo chegar a morte por afixia pela parada cardíaca. Outros sintomas menos constantes são: fazer caretas e ruídos estranhos na boca, querer tirar a roupa e provocar mordeduras em si próprio e a terceiros. Não há cura conhecida pelos meios médicos e sim, um tratamento de controle das crises. Testes de EEG (Eletrocardiograma) de C.T. (Tomografia computadorizada) ou MRI – (Ressonância Magnética), nos exames de sangue e urina. Outro controle é saber com parentes históricos de famílias que ajudam o médico a fazer melhor diagnóstico possível. Pessoas que sabem que sofrem deste mal, devem evitar de dirigir, andar de bicicleta ou moto, controlar barcos ou aviões, nadar , subir em andaimes, trabalhar em local perigoso ou de dificil acesso, enfim não fazer nada sozinho que não possa ser substituído imediatamente, evitando de provocar acidentes, atingindo a si e a terceiros. O epilético deverá carregar junto aos seus decumentos, anotações explicando que sofre convulsões epiléticas, telefones, endereço, de parentes, médicos, hospitais, uso de remédios, etc. Socorrer um epilético, é uma decisão difícil e complicada. Se não vejamos: prestar socorros, ou seja, colocar as mãos para ajudar e se, o epilético tiver ferimentos, poderá ser acusado que foi você o causador de ferimentos, podendo abrir processo criminal (por dano a pessoa) e civil (reparação ao dono); ou não socorrer, deixar a vítima a sua sorte (omissão de socorro), podendo acontecer o obito.  Acreditamos mesmo sabendo do risco, você irá socorrer, para não deixar seu semelhante falecer. Para isto, deverá ter testemunhas do que está fazendo para ajudar o epilético. Primeiramente, deverá evitar de colocar seus dedos na boca da vítima, pois poderá ficar sem os mesmos. Peça as pessoas, que estiverem em volta para serem suas testemunhas. Abrir um bom espaço para cuidar da vítima. Solicite o chamado de socorro (ambulância), afrouxe as roupas em torno da garganta da vitíma. Não sinta nôjo. Epilepsia não pega. Mas deve colocar luvas cirúrgicas para sua proteção, se a vítima tiver ferimentos, ou lhe provocar ferimentos sangue com sangue terá contaminação de diversas espécies de doenças,
inclusive AIDS. Lembre – se que a convulsão poderá durar mais de cinco minutos. A vítima deverá estar deitada colocando- se, alguma coisa que amorteça sua cabeça, isto se ela perder os sentidos, se não ajude – lhe sentar-se em local, calmo e seguro. Fale sempre com serenidade que tudo irá passar e que o atendimento médico estará chegando. E se houver desmaio, perda da respiração, colocando a vítima em risco de vida? Procure fazer cursos de primeiros socorros, e saberá controlar a situação, até o atendimento médico chegar. O protocolo para atuação em crise compulsiva, se faz pelos seguintes itens:
1) Deitar a vítima (caso esta esteja de pé ou sentada) desconfortadamente.
2) Afrouxar roupas apertadas, remover objetos.
3) Sustentar com delicadeza a cabeça, com a máxima proteção possível.
4) Manter as vias aéreas desobstruídas.
5) Colocar cunha de borracha ou plásticos como um abaixador de línguas.
6) Aspirar secreções por aparelhos se necessário, e quase sempre é necessário.
7) Monitorar a crise compulsiva, ajudando os médicos em tudo que for possível.
8) Chamar o socorro médico o mais rápido possível.
O socorrista (pré – hospitalar) enfermeiros, médicos, estão preparados para evitar que a vítima fique sufocada. Terá em suas bolsas, instrumentos pequenos, tipo Bandepiletic, que é uma cunha / rolo de espuma de borracha ou Polieretano, que manterá sua boca aberta, e assim, irá ajudar seu trabalho que é  retirando a saliva ou baba que está sufocando a vítima. O que poderá matar não é a língua enrrolada e sim o entupimento das vias aéreas e conseqüentemente a parada cardiorespiratória.  Haverá a possibilidade de ter de fazer um R.C.P> ( boca a boca), ou seja, respiração cardiopulmonar, com massagem cardiáca, (mas é necessário várias horas de cursos), onde terá em sua bolsa ou maleta, um R.C.P descartável e par de luvas para evitar de colocar a boca em salivas, vômitos ou outros. Lembre-se salvar vidas é obrigação de todos mas proteger – se é norma vital de vida, pois não adianta salvar e perder a sua vida. Você vale muito para a sua família.

Um comentário: